16 maio 2018
Estar Online Vs Ser Digital
Estar Online Vs Ser Digital
Miguel Tapada, Managing Director da ON Spot

Seja qual for a natureza do seu negócio, a abrangência de público a quem este se dirige, ou a ambição de crescimento do mesmo, a sua estratégia de comunicação tem necessariamente de passar por uma presença digital abrangente e multifacetada.

Os números não deixam dúvidas: 53% da população mundial é utilizadora de internet; São mais de 3.2 Mil Milhões os utilizadores de redes sociais, e muito perto dos 5.2 Mil Milhões os utilizadores de Internet no Telemóvel.

Em Portugal, os números são ainda mais expressivos em termos de cobertura da população - 75% desta é utilizadora de internet; 65% é utilizadora de redes sociais; 5,7 Milhões de utilizadores de plataformas sociais em telefone móvel.

Os portugueses passam mais de 6 horas e meia por dia utilizando internet nos mais diversificados ecrãs e a primeira pergunta que nos temos de colocar é: Quando navegam na internet, o nosso negócio está lá?

Intuitivamente respondemos sim: Já registamos um domínio, desenvolvemos um site, possivelmente criamos até uma presença em redes sociais, mas na realidade esta presença digital está longe de entregar os resultados que esperávamos.

"Estar Online” é muito diferente de ter uma estratégia digital e os resultados entregues por uma ou outra abordagem são necessariamente diferentes. Mas o que faz a diferença entre “Estar online” e “Ser digital”? O que nos pode ajudar a vencer num contexto marcado por algoritmos em permanente mudança e que definem a relevância da nossa mensagem para o público que queremos contactar?

Em primeiro lugar é necessário vencer a ilusão do umbigo - a ideia que temos de que o nosso cliente/consumidor/público-alvo nos procura e vem ter connosco online é uma pura ilusão já que mais de 90% dos utilizadores de internet não tem a certeza de que marca procuram quando iniciam uma busca online.

O utilizador de internet não procura marcas, procura antes respostas para 4 tipos de momentos: Eu quero saber / Eu quero ir / Eu quero comprar/ Eu quero fazer e ou a sua marca tem resposta para algum destes micromomentos ou, com enorme probabilidade, passará ao lado da maior parte das visualizações online. A sua marca é vista mas não gera qualquer interesse ou ação ao utilizador.

Em segundo lugar é necessário ter uma ideia muito clara de quais os resultados que pretendemos atingir com a nossa presença online. Já diz a sabedoria popular “a quem não sabe para onde vai nenhum vento é favorável” e uma ideia clara e mensurável do que pretendemos é essencial ao desenho de uma estratégia digital onde todos os meios utilizados (site, redes sociais, influenciadores, relações públicas) contribuem para o mesmo fim.

Hoje em dia as plataformas e soluções digitais permitem medir resultados e impacto desde a primeira reação do utilizador (um click, uma procura, uma menção…) até à sua possível compra ou abandono, e a definição de métricas e KPI’s em linha com os objetivos de negócio são fundamentais para tirar o melhor partido das mesmas.

Finalmente estar online e gerar interesse ou reação do utilizador em linha com os objetivos de negócio não é possível sem uma produção de conteúdos de excelência e estes não existem sem uma identidade forte e sem a definição dos diferentes ângulos de abordagem. Uma vez mais os Micromomentos da Google ajudam na consolidação destes conteúdos:

Que histórias, informações, sugestões ou lições tem a sua marca para contar? Com que temas e áreas de interesse se pode relacionar acrescentando relevância? Que respostas pode a sua marca dar às perguntas de Eu quero saber/Eu quero ir / eu quero comprar / eu quero fazer?

Em resumo não limite a sua marca a uma presença digital. “Estar online” não lhe vai trazer os resultados que pode obter aproveitando todo o potencial de uma estratégia digital. Esqueça uma perspetiva narcisista de que a sua marca é a melhor do mundo, defina objetivos claros e concretos para a sua presença e meça os resultados ao longo de toda a “viagem do utilizador” oferecendo conteúdos que trazem relevância e respondem às perguntas e buscas que o utilizador realiza em cada micro momento.

Que a sua marca seja verdadeiramente digital.

Blog

Blog

15 Fev. 2018
Blog

O imobiliário vive dias felizes. Se 2017 foi um ano de recuperação e de crescimento, 2018 promete ser um ano de expansão e também de consolidação. Expansão para alguns segmentos de mercado e consolidação dos que cresceram no ano passado. Claro que com profissionais cada vez mais qualificados pois a concorrência assim o exige.

19 Abr. 2018
Blog

O conceito e aplicações da Inteligência Artificial (IA) estão a revolucionar a atualidade. Começando pelo reconhecimento de imagens, passando pelo reconhecimento e síntese de voz e culminando com o processamento de linguagem natural, estamos a viver um momento de democratização de ferramentas que asseguram que a IA deixou de ser um sonho e está a assumir-se como uma commodity.

21 maio 2018
Blog

Todos os projetos empreendedores começam com uma ideia. Mas afinal o que é uma ideia de negócio? E como conseguimos descobrir se uma ideia é boa ou má, antes de avançarmos com o negócio?

16 maio 2018
Blog

Decorria o final da década de quarenta quando a já então gigante da publicidade McCann, decidiu abrir uma agência pequena que pudesse trazer inovação ao negócio já instalado da publicidade. Os mercados de vendedores centrados na explicita apresentação das características dos produtos estavam prestes a mudar.

28 maio 2018
Blog

As Startups estão na ordem do dia, até pela crescente vaga de empreendedorismo que tem surgido, muito fomentada pelas universidades.

04 Jun. 2018
Blog

Reputação: a pergunta já não é se tem boa imprensa, mas se tem bom Google.

Ver Tudo

Newsletter

Receba as novidades do Business Accelerator!