"É preciso muito trabalho e muita dedicação"
"É preciso muito trabalho e muita dedicação"
Teresa Rocha - Franquiada ERA

1. Porque é que escolheu iniciar uma carreira na ERA? Fale-nos um pouco sobre o seu percurso profissional.

Entrei na ERA em 2005, na altura era Diretora Comercial de uma empresa de representações que vendia matérias primas para a indústria. Todas as semanas tinha de viajar de norte a sul do pais e também com muita frequência para o estrangeiro. Tenho uma filha, estava pouco tempo com a família e decidi mudar de vida.                                                                                              

Vi um anúncio no Jornal Expresso a solicitar “Diretor/a Comercial ERA Torres Vedras”, decidi enviar o meu curriculum, fui chamada para a entrevista e apresentaram-me um projeto com o qual me identifiquei e que me agradou muito, “trabalhar por objetivos e fazer o meu próprio ordenado”. Acreditei de imediato que era o ideal para mim e por isso abracei o projeto.

2. Acredita que o facto de ser Mulher alguma vez influenciou a sua carreira?

Se influenciou, foi com toda a certeza positivamente, o facto de ser mulher e de ser mãe obrigou-me a saber gerir melhor o meu tempo, a amadurecer mais rapidamente, a conseguir desempenhar várias tarefas ao mesmo tempo, essencialmente a ser muito mais organizada, de forma a conseguir atingir os meus objetivos e de me tornar financeiramente independente. Apesar de ao longo da minha vida ter trabalhado no mundo dos negócios, preferencialmente de homens, nunca senti qualquer tipo de descriminação, o que senti é que pelo facto de ser mulher, tive que dar mais provas das minhas capacidades, tive que trabalhar mais e só depois veio a valorização.

Sei que em alguns sectores, ainda hoje as mulheres são descriminadas e muitas vezes têm ordenados inferiores aos dos homens, apesar de fazerem o mesmo trabalho. Na ERA isso não acontece, pois tanto os homens como mulheres têm as mesmas oportunidades, a única coisa que influencia o nosso salário são os nossos resultados. 

3. Como é trabalhar na ERA? E como é ser mulher na ERA?

Trabalho na ERA há 14 anos e tem sido uma experiência única. Apesar do meu trabalho estar bem definido e de ter muita experiência naquilo que faço, lidar com pessoas é um desafio constante e diferente todos os dias, daí ser tão interessante. Trabalhar na ERA sendo mulher é a garantia de que tenho as mesmas oportunidades do qualquer homem, que tenho rendimentos acima da média, que sou dona da minha vida e que posso continuar a realizar os meus sonhos.

4. Acredita que ainda existe um preconceito sobre o setor imobiliário ser apenas para o género masculino? 

Não, penso que hoje em dia, no sector imobiliário, os clientes procuram profissionais credíveis, com muita formação, capazes de lhes dar a melhor resposta aos seus problemas, de lhes apresentar as melhores soluções, para assim poderem tomar a melhor decisão, não interessa se são homens ou mulheres.   

5. Que conselho daria às mulheres que ambicionam progredir na carreira e assumir um cargo de liderança?

Acima de tudo que acreditem nelas próprias, que nunca desistam de sonhar e que abracem um projeto com o qual se identifiquem, pois tudo o resto vem por acréscimo. É preciso muito trabalho, muita dedicação, mas quando nós acreditamos em nós não há nada que nos demova dos nossos objetivos.

Teresa Rocha, Franquiada ERA Torres Vedras

Newsletter

Receba as novidades do Business Accelerator!